Publicidade

Notícias

Geral - 22/12/2021
Factoring garante mais de 11% do PIB europeu. Em Portugal representa 15,4%

matéria do Jornal Económico de Portugal

O factoring está a reforçar o peso na economia europeia, neste que é o segundo ano de pandemia,  demonstram os dados relativos ao primeiro semestre do ano, revelados pela Federação Europeia do setor.

No acumulado do continente europeu, foi atingido o valor de cerca de um bilião de euros no primeiro semestre de 2021.

Em Portugal, o Factoring representava, no final do primeiro semestre, 15,4% do Produto Interno Bruto (PIB), fruto de um crescimento dos créditos tomados de 4,1% face ao período homólogo do ano passado. Nos primeiros seis meses deste ano, o total de créditos tomados pelo Factoring em Portugal foi na ordem dos 15,8 mil milhões de euros.

O crescente peso do Factoring na União Europeia é fortemente impulsionado pela prestação nos maiores atores deste setor, França, Alemanha e Itália. Somados, os três mercados constituem 55% dos 787,2 mil milhões de euros registados pelo Factoring no espaço comum.  Nestes países, os créditos tomados tiveram um crescimento superior ao dos respetivos PIB, com a Alemanha em plano especial, com um reforço de 8,6% no Factoring.

(...)

No primeiro semestre de 2020, período parcialmente limitado pelo confinamento ao longo do continente, os países europeus somavam apenas 853,2 mil milhões de euros em créditos tomados. A recuperação no primeiro semestre de 2021 representa o regresso ao crescimento, mesmo em relação a valores de 2019, em que o mercado europeu tomou 896,5 mil milhões em créditos, comparativamente aos 953,4 mil milhões de 2021.

“No primeiro semestre de 2021 notou-se um franco aumento no recurso ao Factoring por parte das empresas como reflexo do aumento das transações económicas”, nota Pedro Cunha, vicepresidente da Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF) responsável pelo Factoring.

“Como tão bem demonstra o ‘motor’ europeu, a Alemanha, o Factoring é uma peça fundamental para dar às empresas um suporte que lhes assegure agilidade e segurança nos pagamentos e nos recebimentos, podendo elas concentrar-se em desafios e investimentos fundamentais, como são a inovação, digitalização, combate às alterações climáticas e fundamentalmente, desenvolver o seu negócio”, refere Pedro Cunha.

No factoring as empresas podem adquirir créditos de curto prazo, resultantes do fornecimento dos bens e serviços. Ou seja, com o factoring as empresas podem converter créditos de regime comercial sobre os clientes devedores, por forma a poderem obter liquidez de maneira mais imediata.

fonte: Jornal Económico
leia a matéria completa em: https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/factoring-garante-mais-de-11-do-pib-europeu-em-portugal-representa-154-817197

 

Publicidade